?

Log in

A Caminhada [entries|archive|friends|userinfo]
oraculo

[ userinfo | livejournal userinfo ]
[ archive | journal archive ]

Slug [Oct. 7th, 2007|12:05 pm]
oraculo
[Current Music |Slug, Passengers]

Don't want to lose my shirt
Don't want to dig the dirt
Don't want you to get hurt
Can't help but I'm a flirt
Don't want to take your drugs
Don't want to be a slug
Don't want to overdress
Don't want to make a mess
Don't want you to confess
Not under duress
Don't want be untrue
I want to be with you
Don't want to lose my nerve
Don't want to throw the curve
Don't want to make you swerve
Don't want what I deserve
Don't want to change the frame
Don't want to be a pain
Don't wanna stay the same

Slug, Passengers

À memória do momento que esta música evoca, desses sentimentos perdidos, da inocência e imaturidade passadas, que já não podem voltar a ser repetidas. Realmente preferia não ter crescido, estava melhor nessa altura.
LinkLeave a comment

O homem perfeito [Oct. 7th, 2007|12:05 pm]
oraculo
O homem perfeito é lindo
Tem um pouco de mistério
É belo quando está rindo
E belo quando está sério

O homem perfeito é bom
Tem um jeito carinhoso
Quando fala em meigo tom
Causa um arrepio gostoso

O homem perfeito é fino
É solícito, é fiel
Tem a graça dum menino
E é mais doce do que o mel

O homem perfeito adora dar flores
Botões de rosa
A uma velha senhora
Ou a uma jovem formosa

O homem perfeito tem energia
Não se cansa
Lava a louça, cozinha,
Gosta muito de criança

O homem perfeito é sensível
À grande arte
Gosta de dança e ballet
Nunca à de magoar-te

Para encerrar a preceito
Estes versos que alinhei
Se existe um homem perfeito
Ele só pode ser gay

Jô Soares
LinkLeave a comment

O Prazer da Escrita [Oct. 7th, 2007|03:07 am]
oraculo
[Current Mood |sadsad]
[Current Music |Wise Up, Aimee Man]

Gostava muito de poder escrever tudo o que sinto com um talento enorme. Sintetizar os meus sentimentos de forma absoluta para que qualquer pessoa pudesse identificar-se logo com eles. Sintetizar todos os sentimentos todos de todas as pessoas e emociona-las com a minha escrita fazendo-as entender o que está escondido sobre elas mesmas. Depois de constatar esse talento esperava que ele me fizesse companhia. Gostava de ser suficiente ter esse talento e a riqueza do diálogo interior, na complexidade e na descoberta do espírito humano, fossem suficientes para manterem o meu espírito ocupado para não sentir solidão. Viveria isolado do mundo, valendo-me a mim mesmo, sem companhias nem parcerias. O meu desejo de ser escritor não tem nada que ver com a escrita mas apenas com uma ideia do que a vida de escritor deve ser. Imagino o Saramago na aridez de Lanzarote, em retiro a escrever sozinho, ou um Hemingway a beber Mojitos sozinho numa qualquer bodega, juntando mentalmente as peças do puzzle. Realmente não é a escrita que me interessa particularmente, mas a reclusão, o afastamento. Pareço um eremita, vociferando que o problema são os outros.
LinkLeave a comment

Intensity [Sep. 11th, 2007|03:34 am]
oraculo
The flame that burns twice as hard, lasts half as long
LinkLeave a comment

A Amizade Morreu [Sep. 10th, 2007|01:47 am]
oraculo
[Current Music |How to Disappear Completely, Radiohead]

A mudança realmente existe?
Será que somos realmente capazes de nos reinventar? A mudança realmente existe?
Quando estamos perante um quadro drástico de grande tensão emocional reavaliamos tudo, colocamo-nos em causa e questionamos tudo na nossa vida. Nesses momentos tomamos decisões difíceis, por vezes drásticas, muitas vezes mal pensadas e mudamos o nosso rumo.
No entanto pergunto-me se isso será realmente mudar. Serão as decisões tomadas sob momentos de grande stress realmente válidas? Não estaremos a mascarar aquilo não nos agrada nas nossas vidas com uma mudança cosmética, ainda que inconsciente, mas que apenas serve para justificar a necessidade de acção em resposta a uma insatisfação? Seremos capazes de mudar algo de significativo num momento destes? Seremos capazes de mudar realmente algo nalgum momento da nossa vida adulta, ou apenas continuamos a reinterpretar a nossa conduta, acabando por repetir os mesmos gestos embora doutras formas?
Cada vez sou mais céptico quanto à mudança. Seja pela minha incapacidade de mudar, seja pelos exemplos que vejo. As “grandes mudanças” nos momentos drásticos parecem-me cada vez mais falsas, e quando se reflectem verdadeiramente na vida de alguém é pelo facto de ter feito algo drástico, normalmente uma burrice, que vai marcar a sua vida real, como matar alguém e ir preso. Mesmo nesses casos, em que a mudança é mais imposta pelas circunstâncias exteriores, pergunto-me se os mecanismos psicológicos realmente mudam. Pergunto-me até que ponto se sente de forma diferente, e a resposta muda perante as circunstâncias.
O eterno retorno parece uma fatalidade da qual não conseguimos fugir, como se dum destino inexorável se tratasse. Será falta de força moral, falta de personalidade, falta de espírito de sacrifício? Será que queremos realmente mudar? Estaremos apenas a procurar uma desculpa para facilitarmos a nossa auto-aceitação, em vez de fazermos um esforço de melhoria? Estaremos cada vez mais sozinhos e distantes de tudo e de todos que não queiramos fazer o esforço para chegarmos junto do outro? Será que o outro cada vez merece menos esse esforço de mudança?
Quando ninguém consegue mudar o que fazer? Vamos todos aceitar que a amizade é fundamental mas nunca com um preço? Nunca merece qualquer esforço?
Se não merece qualquer esforço, não vale nada. Então mais vale que acabemos com isto, como num romance velho e acabado, em que as partes não têm a coragem de continuar nem terminar. VAMOS ASSUMIR QUE A AMIZADE NÃO VALE NADA e deixemo-nos de lamechices à volta do assunto. Fica cada um no seu canto e acabou-se!
Link2 comments|Leave a comment

O Homem do leme [Aug. 24th, 2007|06:28 pm]
oraculo
[Current Mood |angryangry]
[Current Music |O Homem do leme]

O Homem do leme

Sozinho na noite
Um barco ruma, para onde vai?
Uma luz no escuro
Brilha a direito, ofusca as demais

E mais que uma onda, mais que uma maré
Tentaram prendê-lo, impor-lhe uma fé
Mas vogando á vontade, rompendo a saudade
Vai quem já nada teme, vai o homem do leme

E uma vontade de rir
Nasce no fundo do ser
E uma vontade de ir
Correr o mundo e partir
A vida é sempre a perder

No fundo do mar
Jazem os outros, os que lá ficaram
Em dias cinzentos
Descanso eterno lá encontraram
LinkLeave a comment

Reciprocidade [Jun. 9th, 2007|06:12 am]
oraculo
[Current Mood |disappointeddisappointed]
[Current Music |I'm Open, Pearl Jam]

Nunca foi de amarrar-me muito a datas e esse tipo de coisas. Várias vezes esqueci-me de dias importantes, mas normalmente para pessoas que tem a mesma atitude que eu. Para as outras tenho um cuidado maior porque sei que este tema reveste-se de alguma sensibilidade. Assim procuro lembrar-me das datas importantes como forma de demonstrar a minha amizade e consideração. O outro lado desta moeda é o facto de com estas pessoas eu ser igualmente exigente que se lembrem, pelo menos do meu aniversário. Desta forma considero que tenho o direito de interpretar esse esquecimento da mesma forma como elas o fariam.
A amizade dá-se e recebe-se em troca, nunca se pede, logo resta-me agradecer a amizade de todos aqueles que fizeram o favor de esquecer que fiz anos a 24 de Maio e seguir em frente.
Só gostava de lidar melhor com estas porcarias e não me importar.
Link3 comments|Leave a comment

Book of Brilliant Things [Apr. 8th, 2007|04:44 pm]
oraculo
[Current Mood |disappointeddisappointed]

Tenho 16 anos, são 7:00 da manhã e estou na sala a estudar matemática e a ouvir Simple Minds. Ainda hoje são 7:00 daquela manhã, continuou a ter 16 anos e estou a …. Fazer outra coisa qualquer. Continuou naquela sala, toque de finados da minha infância, trampolim automático para a idade adulta, sem passagem pela adolescência. Algo partiu-se desde então e nunca mais foi recuperado. Perdi e nunca mais recuperei e ainda hoje sinto a falta.
“Some say this could be the great Goodbye,
Some day, some of them say my heart could bee like the wills of a fast train, all around the world”
Book of Brilliant Things, Simple Minds
Link1 comment|Leave a comment

[Mar. 31st, 2007|06:06 pm]
oraculo
[Current Mood |coldcold]
[Current Music |Terminal Frost]

Só espero, só mudo, só procuro, só imagino, só tento, só olho, só desejo, só luto, só persisto, só alegre, só triste.
Depois
Só recordo
E, então, lembro-me, eu estou só!
LinkLeave a comment

Voando! [Jan. 28th, 2007|01:39 pm]
oraculo
[Current Mood |coldcold]
[Current Music |Indifference, Pearl Jam]

Voo sozinho, por cima das nuvens dos oceanos e continentes, na minha viagem sem destino, apenas voando.
Não há torre de controlo nem rumo. Não faço esquema de voo nem informo ninguém dos meus planos, até porque não saberia o que dizer, simplesmente voo.
É curioso constatar o elevadíssimo preço da liberdade. Quando não a temos nada mais importa senão resgata-la de volta, mas uma vez obtida parece pouco, não preenche. É condição necessária mas não suficiente.
Link1 comment|Leave a comment

navigation
[ viewing | most recent entries ]
[ go | earlier ]